Sede de Infinito

Infinito é o que se encontra para além de tudo, do conhecimento, da imaginação, do alcance da mão. Ter sede do que se encontra para lá da linha do horizonte é a imensa vontade de alcançar o que não vemos, o que não possuímos, o que não conhecemos, é por fim, uma forma de perseguir o saber e o conhecimento, se assim o desejarmos, conduzir o sonho através do tempo.

24 março, 2008

CINEMA


Sabemos que este planeta onde vivemos possui espaços que nos arrebatam pela beleza da natureza ou das gentes, ou mesmo de ambas. A atracção por vezes é tão grande que não conseguimos explicar como ficamos com o olhar preso. A Colômbia pensada como um território possui um sabor que nos atrai, nos arrasta para si e nos faz soltar as asas quando admiramos a paisagem que nos rodeia. Algumas das suas cidades, pensadas à distância parecem imobilizadas no tempo, num tempo que nos parece demasiado recuado sem precisarmos onde nem quando. Cartagena de las Índias, cidade do Caribe lida em castelhano, língua do seu verdadeiro nome, faz-nos pensar nessas cidades quentes com um grau de humidade que nos faz transpirar o sangue nas veias e provoca uma exaltação dos sentimentos. Sentimos a presença vagabunda de piratas e as suas muralhas marítimas fazem-nos ver naus do reino aportando ao seu mar. A alma vibra-nos e aquele calor que transforma o corpo, o arrebata para movimentos descontrolados em busca do outro, apossa-se de nós e sente-se uma dança ao som de músicas que nos envolvem a mente, descontrolam o pensamento e nos lançam nos braços da fantasia que o amor sabe inventar. De um lado é o mar, horizonte aberto, largo, em que os infinitos se tocam, se beijam num ponto onde não podemos tocar-lhe. Do outro é o sul, o interior, a floresta, o imenso e intenso verde, mágico, encantado a levar-nos para o coração das montanhas que iniciam essa subida soberba até ao céu. Quando pousamos os pés neste espaço conquistado pela natureza e que aceitou os homens debaixo de certas condições, entre as quais, que não fosse quebrado esse êxtase que transporta desde a nascença, sentimos que tudo o que conhecíamos desaparece, transforma-se, perde sentido. Apreendemos que a dimensão da vida adquire patamares que desconhecíamos e passamos a um instante em que todos os contos maravilhosos da infância se transformam em reinos vivos. A qualquer momento, sabemos que a princesa dos nossos sonhos vai aparecer numa das naus que aportaram ao cais para transportar o ouro de regresso ao reino.
Gabriel Garcia Marquez através da sua obra literária fez-nos desembarcar neste mundo extraordinário e de fascínio. Ainda nos sentíamos azoratados pelos momentos mágicos dos Cem anos de solidão quando nos faz cair nesse assombro amoroso a que chamou, “O Amor em tempos de Cólera” e que agora aparece no cinema. Quando uma história literária adquire a dimensão que teve a obra do autor colombiano e que deslumbrou milhões de pessoas pelo mundo, temos sempre o receio que a transposição para a arte do movimento em tela possa retirar o efeito que a sensibilidade das palavras geraram. É que uma paisagem descrita tem de ser imaginada e nesse processo de criação, podemos supô-la com a riqueza com que o nosso pensamento se encontra preparado para o sonho, enquanto que essa mesma natureza olhada tem de ser procurada nos seus pormenores e o correr da fita não nos deixa tempo para reflectir e muito menos para regressar atrás e ver de novo. Por outro lado, se vamos ver um filme de amor, temos de nos encontrar preparados para assimilar esse romantismo de forma a viver com a mesma intensidade esses amores perdidos entre a floresta e a montanha. Pelo menos, se o filme não tiver alcançado a dimensão da obra literária sempre diminuímos o efeito, tantas vezes, devastador da desilusão. Mas neste caso, o filme compensa. Começando por mostrar aspectos dessa cidade que recriamos na memória como possuída e caminhada por piratas sem lei, escravos desgastados pelo tempo, senhores, da terra, do céu e das almas e a permanente sensualidade das mulheres a fazer arrastar a vontade até aos seus olhares que espalham sementes irrequietas na consciência dos homens e fazendo descer em viagens de altitude pela nascente dos Andes cobertas de natureza verde, a obra cinematográfica tem o seu princípio com Florentino Ariza em idade vetusta, nos braços e no peito de uma jovem mulher onde todos os Domingos lavrava um campo de amor como quem amanhava palavras atiradas ao vento. E no meio desse esplendor onde a carne se saciava, ouve o sino da catedral e percebe que a sua hora tinha chegado. Percebe que aquele toque tangente não só anuncia a morte de alguém grande, como também lhe traz a notícia que a mulher que amou durante cinquenta e um anos, nove meses e quatro dias, ficou livre para ser amada.
Florentino Ariza é um adolescente que não chegou a conhecer o pai e um dia ao levar uma mensagem como tantas outras, sente que ficou preso no caminho, sente que o amarraram e o puxam de forma irremediável. Sente que o acorrentaram da única forma que um homem sabe que não se liberta. Ficou laçado pelos olhos negros de uma mulher. Não importa quem é, nem como é, importa apenas que é aquela que sabemos que um dia vai chegar, estejamos onde estivermos. É como soltar um rio represado. A corrente começa por se soltar, devagar, lentamente para de seguida se soltar aos borbotões à procura do mar, onde há-de soltar as asas e voar para a imensidão do além. O que vai acontecendo é apenas o evoluir de uma vida que não deixa de comportar essa sensibilidade da entrega. Aquele jovem, percebeu que aquele olhar era o seu destino e o mundo deixou de ter fronteiras que lhe impedissem, que lhe tapasse o seu caminho até à mulher a quem entregava a vida e a alma. Mas a vida só aqui e ali nos garante essa felicidade que tanto perseguimos e, tantas vezes, esses momentos felizes dependem da autorização de outros. Fermina Daza percebeu que a luz que soltara do seu olhar tinha agarrado aquela estrela ao seu universo e alimentou-a dentro da galáxia onde viviam os seus sentimentos. Todos precisamos de ser amados e Fermina também necessitavam que assaltassem o seu palácio, e nada melhor que um romântico para ser capaz de trepar às paredes da fortaleza onde crescia. Mas o desenrolar da batalha iria mostrar que outros personagens podiam desempenhar um papel determinante. Ainda a levaram para o interior dessas florestas que transpiram ao amanhecer e as mulheres ficam trocam olhares secretos com homens casados como lhe confidenciou a sua prima. De nada adiantou, pois Florentino era um jovem determinado e estava decidido a ter por companheira para o resto da vida aquela mulher que percebera ser a única que lhe podia conquistar a alma. O pai de Fermina e a ameaça de cólera haveriam de mostrar que o futuro pode ser reescrito a cada esquina e aquele jovem haveria de derreter lágrimas amargas quando percebeu que a mulher que intensamente amava só muito mais tarde haveria de chegar até ao leito que construíra em aldeias de fantasia. Os anos foram passando enquanto a vida lhe contava os anos. As mulheres, outras que não a que amava, foram-lhe passando pela vida e pela cama. A todas, certamente que amou, antes de mais o corpo, e a todas terá deixado gestos de ternura e palavras de carinho. Os seres humanos têm essa capacidade de entrega a cada momento. Depende da sensibilidade de cada um, do momento em que vivem, das frustrações que acumulam, do cansaço que os invade, para se deixarem seduzir por uma palavra, um gesto, um acto de carinho. Amar uma mulher e eventualmente oferecer-lhe, ou dela receber, mais do que palavras, não tem necessariamente de se esquecer o grande amor que ainda não chegou, ou que possamos ter perdido. Os momentos de consolo, se são mútuos, não fazem esquecer a mulher para a qual a nossa vida foi construída. Florentino Ariza amou centenas de mulheres através da pena inventiva do Prémio Nobel colombiano, mas soube através daquele som plangente do sino que o seu tempo de amar tinha chegado ao seu termo e que o amor da sua vida o chamava. Quando finalmente convenceu a viúva Fermina Daza a uma viagem de repouso pelo rio Magdalena ladeado pela floresta que escondia duendes e homens de magia, explicou-lhe que o amor que viaja nos olhares, mais do que um sentimento é um estado de graça, um dom divino, um acto inexplicável. Cinco dezenas de anos depois escondidos da cólera que grassava em terra, os dois amantes no verdadeiro sentido da palavra, iniciam uma viagem sem fim, rio acima e rio abaixo, saciando o sentimento do amor que os gestos transportaram escondidos no regaço da alma. Tal como o livro, o filme acaba também por ser um poema, um hino, um apelo aos homens e mulheres para que se amem, que entendam a vida como um contínuo movimento que deve conduzir a um momento de entrega, de usufruto de tudo o que de mais belo transportamos e que tornamos visível através do sorriso, do rosto e da expressão do olhar.

4 Comments:

Blogger CarpeDiemBeHappy said...

Escreves tao bem!! Já pensaste em escrever um livro?! Eu era uma potencial compradora:)

Beijinhos

2:17 da tarde  
Blogger CarpeDiemBeHappy said...

Este comentário foi removido pelo autor.

2:17 da tarde  
Blogger CarpeDiemBeHappy said...

Este comentário foi removido pelo autor.

2:17 da tarde  
Blogger Lurdes said...

Não sei se me apaixonei por o livro, se por o filme, se pelas tuas palavras...

Mostra tudo isto que o destino está traçado, independentemente de tudo?!?!

Adoro histórias de amor!

Carpe, potencial compradora?! Seríamos as primeiras da fila!

Beijinhos Galileu e talvez seja possível um dia uma caminhada por essas montanhas que descreves.

7:44 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

Free Web Counter
Site Counter